Voltar para todas Exposições

Passeio Pela Liberdade

13 out 2021 - 13 fev 2023

A Igreja Santa Cruz das Almas dos Enforcados, Viaduto Osaka, Igreja dos Aflitos, Rua dos Aflitos,  Templo Lohan,  Avenida Liberdade, Casa de Portugal, Praça da Liberdade, Rua Galvão Bueno, Restaurantes,  Rua da Glória e Praça Almeida Junior são os locais visitados no passeio a pé que geralmente tem inicio dentro do Templo Lohan.

Um alto arco torii vermelho marca a entrada da Liberdade, a região japonesa da cidade, onde as ruas são decoradas com lanternas. As opções gastronômicas incluem bares de sushi, lojas de ramen e barracas de macarrão yakisoba, bem como restaurantes chineses e coreanos. As lojas de presentes e os supermercados vendem quimonos, panelas e iguarias asiáticas importadas, enquanto a Feira da Liberdade, aos domingos, tem acessórios e artesanato.

O Bairro da Liberdade teve origem na fundação da cidade e tem lugares históricos ocultos, obscuros e sagrados. Igrejas, Lojas Maçonicas, Templo, Escolas, Academias, Centros Culturais, Galerias, Viadutos, Pontos e praças antigas.

Detalhes arqueologicos e ocultos podem ser vislumbrados assim como os comercios  e lojas específicas de cultura tradicional chinesa ou cultura pop japonesa.

Liberdade é um bairro turístico situado na zona central do município de São Paulo pertencente em parte ao distrito da Liberdade e em parte ao distrito da Sé. É conhecido como o maior reduto da comunidade japonesa no município, comunidade esta que é considerada a maior do mundo fora do Japão.

História
No século XIX, o bairro era conhecido como Bairro da Pólvora, em referência à Casa da Pólvora, construída em 1754 no largo da Pólvora. Era uma região periférica da cidade, e ficava no caminho entre o Centro da cidade de São Paulo e o então município de Santo Amaro. No bairro, se localizava o largo da Forca, assim nomeado em função da presença de uma forca que era utilizada para a execução da pena de morte. A forca havia sido transferida da rua Tabatinguera em 1604 a pedido dos religiosos do Convento do Carmo e funcionou até 1870. A partir de então, o largo passou a se chamar Largo da Liberdade, e o nome se estendeu a todo o bairro. Existem duas versões para a adoção do nome “Liberdade”ː uma diz que é uma referência a um levante de soldados que reivindicavam o aumento de seus salários à coroa portuguesa em 1821, e que teria resultado no enforcamento dos soldados Chaguinhas e Cotindiba. O público que acompanhava a execução, ao ver que as cordas que prendiam Chaguinhas arrebentaram várias vezes, teria começado a gritar “liberdade, liberdade”. Outra versão diz que o nome Liberdade é uma referência à abolição da escravidão.

Em 1779, próximo ao então largo da Forca, foi instalado o primeiro cemitério público aberto da cidade, destinado a enterrar indigentes e condenados à forca. O cemitério funcionou até 1858, quando foi inaugurado o cemitério da Consolação em terras doadas pela Marquesa de Santos.[3] Conhecido atualmente por ser um bairro de orientais, a Liberdade era, originalmente, um bairro de negros. Abrigou organizações de ex-escravos e seus descendentes, como a Frente Negra Brasileira e, mais tarde, o Paulistano da Glória, que foi um sindicato de domésticas que virou escola de samba e era liderado pelo sambista Geraldo Filme.

Durante o século XIX, imigrantes portugueses e italianos construíram sobrados que, com o tempo, viraram pensões e repúblicas que seriam habitadas, nas primeiras décadas do século XX, por imigrantes japoneses.

Torne-se Membro Comprar Ingresso
  • Data: 13 out 2021 - 13 fev 2023
  • Localização:Liberdade
  • Curadores:Shifu Luis Mello
  • Duração:2 horas
Google Play
Open chat
1
Participe da caminhada pela Liberdade!