O Kung fu envolve tudo, mas nem tudo envolve o Kung fu.

Se limita quem acha que Kung fu é apenas uma arte marcial, cheia de acrobacias e formas, o Kung fu envolve tudo, mas nem tudo envolve o Kung fu.

No Kung fu eu aprendi que não dá para nutrir sentimentos como hostilidade, ciúme, medo, culpa ou depressão, pois essas, são emoções tóxicas.
Aprendi também que onde há prazer, há a semente da dor, e vice-versa.
O segredo está no movimento, não ficar preso na dor, nem no prazer, pois ambos são sinônimos de vícios.
Não se deve reprimir ou evitar as dores e prazeres, mas sim, tomar responsabilidade sobre elas.
Aprendi que não adianta ter o maior conhecimento mundano, pois o que importa é, o que você faz com o que sabe.
Aprendi que não devemos confiar em nossos olhos, pois até da nuvem mais negra cai água límpida, até mesmo no poço mais fundo há água, ou seja, as limitações são fronteiras que só existem em nossa mente e cair não e fracassar, é recusar-se levantar.
Aprendi que fica sempre um pouco de perfume nas mãos de quem oferece flores assim como sempre fica suja a mão de quem pratica a violência.
Aprendi que não existe glória sem luta, muito menos, luta sem glória e, se quiser sorrir no campo de batalha, chore no WuGuan.
Por fim aprendi que o vazio compreende tudo e o tudo compreende o vazio, as coisas só tomam forma e significado a partir do momento que as atribuímos.

 

Henrique Giovanni