I Chin Ching (Wade-Giles) ou Yì Jīn Jīng (Pinyin) – 易筋經 – pode ser traduzido como “Clássico (ou Tratado, ou Livro) da renovação (ou transformação) dosMúsculos e Tendões”.

Criado durante a Dinastia do Sul (420-589), é um método popular na China para manter a boa forma física. É praticado para cultivar a saúde, como condicionamento físico, e na recuperação de indisposições relacionadas a problemas musculares e ósseos.

As cinco regras tradicionais do Yijinjing são:
1. Quietude: como a água do lago reflete a lua, um espírito calmo permite que a energia mova-se dentro do corpo
2. Lentidão: movimentos lentos são necessários para flexionar os músculos profundamente até sua extensão máxima, mobilizando o Qi e Xue
3. Extensão: cada movimento deve ser levado a seu limite, sem forçar
4. Pausa: o melhor resultado vem da espera e de manter o alongamento por um tempo mais longo
5. Flexibilidade: os membros e o tronco devem ser alongados de modo que o sangue e a energia possam circular, proporcionando flexibilidade.

As orientações sobre a respiração durante a prática de Yijinjing são controversas.
Algumas fontes insistem em acompanhar os movimentos com uma respiração inversa profunda, forçada, a fim de desenvolver a vitalidade.
Outras fontes, entre elas Robert W. Smith (em seu artigo sobre o tema no J.A.M.A. em 1996), sugerem que há diferenças entre a orientação sobre a respiração nas linhagens do norte e do sul da China. Em seu trabalho sobre “A respiração no Taiji e em outras artes marciais” (Breathing in Taiji and other fighting arts), Smith analisa praticantes veteranos de Taiji, os textos clássicos desta arte, e também lutadores experientes, constatando que o tipo mais adequado de respiração para as finalidades relacionadas às artes marciais e à saúde fica entre a respiração abdominal clássica e um respirar lento, inconsciente. Pode também haver momentos de explosões repentinas (Fajing), típicos de artes marciais em seus golpes mais duros.