Bruce Lee e Yip Man deixaram o Wing Chun conhecido mundialmente. Porém o público em geral, apesar de ter admiração pela arte, pouco conhece os aspectos técnicos deste tipo de Kung Fu.  O Wing Chun nasceu em meio a necessidade de transformar a  jovem noiva Win Wing Chun (詠春) em uma guerreira em potencial numa época de dominância  estrangeira Manchu, quando as tríades rebeldes Han lutavam pela independência da China.

No Templo Lohan o  praticante estudará os fundamentos ortodoxos da arte que consistem na postura Yee Gee Kim Yeung Ma, 二字箝羊馬 (postura do carneiro), os oito socos ( 八拳), oito palmas (八掌), oito chutes (八踢), oito defesas e suas variantes (防御), Xiǎo niàntou (小念头), Chi Sao (黐手), conceitos básicos de  Boneco de madeira Mùrénzhuāng (木人樁/木人桩) procurando aplicar tudo em combate livre.Juntamente com o Wing Chun Tradicional os alunos assimilarão conceitos de Chinna (擒拿), Suaijiao (摔跤), Sanda (散打), Yiquan – Boxe da mente (意拳) e Tuishou (推手), procurando utilizar tais conceitos dentro das habilidades Chisao.

Sequencia da aula

  1. Saudação ao Shifu e aos ancestrais
  2. Aquecimento calistênico e alongamento
  3. Fundamentos Wing Chun
  4. Fundamentos Pakda e LapSao
  5. Circuito de aplicações
  6. Chisao
  7. Combate livre
  8. Conceitos de Yiquan, Suaijiao, Tuishou e Qinna
  9. Explanações teóricas e considerações finais
  10. Saudação ao Shifu e aos ancestrais

Wing Chun é um sistema de luta surgido no sul da China que se distingue pela economia de movimentos e utilização da estrutura óssea. Sendo um dos sistemas de luta mais populares em todo o mundo atualmente, a arte baseia-se na leitura da inteligência da “Garça” com a “Serpente” e na base do “Carneiro”.

Embora muitos mestres oficiais do Wing Chun espalhados por todo o mundo trabalhem para o crescimento deste estilo, sua grande popularidade no ocidente veio a partir de seu praticante mais famoso, Bruce Lee, (discípulo de Yip Man), que o praticou e o valorizou, utilizando-o como base para o “estilo” de luta que ele viria a criar tempos depois, o Jeet Kune Do. Wing Chun é um sistema de defesa pessoal realista, criado na China por uma mulher (monja shaolin). Simples e eficiente, descarta todo movimento acrobático. É uma arte marcial singular, desenvolvida para permitir que qualquer tipo de pessoa, independentemente de tamanho, força ou sexo, possa se defender de agressores maiores e mais fortes.

Suas origens vêm do mosteiro Shaolin (Siu Lan), onde a mestra de artes marciais, Monge Ng Mui, possuía habilidade técnica superior aos combatentes do seu tempo. Segundo a lenda, partindo do conhecimento dos estilos tradicionais, e pela leitura da luta entre a serpente e a garça, Ng Mui criou um novo e eficaz sistema de combate, que não só retificava as debilidades dos sistemas convencionais, mas também tirava proveito delas. Tornou-se um sistema de luta com o passar das gerações, onde outros mestres da arte incluíram novas técnicas, como por exemplo, a introdução do bastão longo, na época dos “Juncos Vermelhos” (Embarcações da Ópera Chinesa).

A principal diferença, entre os estilos praticados até então, está em seu conceito de defesa. Enquanto em outras artes marciais procura-se acima de tudo bloquear o ataque do agressor para depois contra-atacar, ou mesmo desviar este ataque para depois contra-atacar, o princípio básico do Wing Chun é o de utilizar esta força contra o próprio agressor, onde a defesa já funciona como ataque e vice-versa. História Há aproximadamente 250 – 300 anos atrás, o povo chinês Han vivia sob mercê do povo Manchu, guerreiros da nobreza da China.

Os Hans eram proibidos de praticar artes marciais, mesmo sendo a etnia da grande maioria da população chinesa até hoje. Contudo, no templo de Siu Lan, era possível praticar o Kung Fu, sem restrições, pois as artes marciais tinham papel importante para o maior entendimento na busca da iluminação.

Existem várias versões para a história do sistema envolvendo o templo de Shao-Lin (Siu-Lan), a monja Ng Mui, e a jovem Yim Wing Chun, de acordo com a linhagem a que pertencem. A partir de “Leung Bok Toa” (marido de Yim Wing Chun) a história basicamente segue igual, com exceção de algumas recentes versões que descartam totalmente a existência de Yim Wing Chun como uma pessoa, e dão um salto na história até a era dos juncos vermelhos.