O Segredo da Flor de Ouro

in Wilhelm, R. O Segredo da Flor de Ouro. Petrópolis: Vozes, 1983. Datação do Texto: séc. VIII-IX d.C.(?): Re-impressão: Século XVIII.

Capítulo 1 – A Consciência Celeste (Coração)

Mestre LÜ DSU dizia: àquilo que é por si mesmo denominamos sentido (Tao). O sentido não tem nome, nem forma. É o ser uno, o espírito originário e único. Ser e vida não podem ser vistos, estão contidos na luz do céu. A luz do céu não pode ser vista, está contida nos dois olhos. Hoje serei vosso guia e revelar-vos-ei o Segredo da Flor de Ouro do Grande Uno; a partir daqui explicarei pormenorizadamente o que se segue.

O Grande Uno é a designação daquilo além do qual nada mais existe. O segredo da magia da vida consiste em utilizar a ação para chegar à não-ação; não podemos passar por cima de tudo, pretendendo penetrá-lo diretamente. O princípio tradicional é tomar nas mãos o trabalho com o ser. Através disto evitar-se-ão extravios.

A Flor de Ouro é a luz. Qual é a cor da luz? Tomemos a Flor de Ouro como analogia. Esta é a verdadeira força do Grande Uno transcendente. A palavra: “O chumbo da região da água tem somente um sabor” significa isto.

Comentário: “No Livro das Mutações lemos; “O céu gera a água mediante o Uno”. É esta a verdadeira força do Grande Uno. Ao alcançar este Uno, o homem é vivificado, e ao perdê-lo, morre. No entanto, apesar de o homem viver na força (ar, prana) , ele não vê a força (ar), da mesma forma que os peixes não vêem a água. O homem morre quando lhe falta o ar da vida, do mesmo modo que os peixes sem água perecem. Por isso, os adeptos ensinaram as pessoas a manter o originário e a preservar o uno, este é o movimento circular da luz e a preservação do centro. Quando se conserva esta força genuína, pode-se prolongar o seu tempo de vida e então utilizar o método de “fundir e misturar” a fim de criar um corpo imortal”.